11/10/2017 10:51:47
FIFA 18 – EA melhora sutilmente o jogo, mas será o suficiente?
Compartilhe: 
FICHA TÉCNICA
ITEM REVISADO
FIFA 18

AUTOR
Ariel Souza

LANÇAMENTO
29 de setembro de 2017

GÊNERO
Esporte, Futebol

PRODUTORA
EA Canada
EA Romênia

DISTRIBUIDORA
EA Sports, Electronic Arts

odos anos, a mesma história. PES e FIFA chegam com novas versões. Konami e EA brigam por nossa atenção enquanto a pelota rola nos gramados verdes (um mais verde que o outro) e cabe a nós, jogadores, decidir qual é o melhor para nós. Tudo funciona com base nos gostos e opções que cada jogo nos traz. Até que no final das contas o coração acelera mais forte com algum dos dois jogos, seja pela emoção das partidas ou pela irritação que cada jogo nos causa.

Já falamos de Pro Evolution Soccer aqui, em nossa análise. Agora é a vez de FIFA. Assim como no futebol da Konami, testamos por diversas vezes inúmeras builds de FIFA 18, até que finalmente pudemos testar por muitas semanas a versão final. Agora é a hora da verdade.

De cara a maior mudança de FIFA 18 está relacionada a maneira que defendemos. De uma forma mais manual, não adianta mais apenas ficar apertando o botão de bote no momento certo. É necessário usar muito o L2/LT para que o seu jogador entre num estado de atenção e cerque o adversário.

Mas claro que vai depender também da direção que você faz o jogador se mover. O negócio é acabar com o espaço do adversário sem cair em seus dribles. Ainda assim, somente desta forma é muito fácil de ver o adversário superando a sua defesa, o que exige que jogadores que querem levar o game a sério, tenham que aprender a defender usando a ajuda de mais um marcador, através do R1/RB. Assim, a máquina marca e você sobra pra marcar quem vai receber o passe. Sucesso!

A dinâmica de defesa realmente alterou a maneira com a qual FIFA se comporta. Apesar de na maioria dos fundamentos o jogo se parecer demais com FIFA 17, há uma boa diferença em como a bola rola. Se antes a disputa ocorria no meio campo, agora o embate ocorre de área em área. Ou seja, é muito mais fácil passar tocando e chegar na área adversária. No entanto, para se infiltrar na defesa e chegar na área a ponto de definir uma jogada, as coisas mudam muito. É preciso ter passe de bola, muita atenção pra escolher bem os jogadores.
Dribles à toa não são bem vindos e as chances de perder uma bola boa por bobagem são altíssimas. As mudanças no sistema defensivo são muito bem vindos, mas às vezes irrita ver o jogo fluindo muito rápido de um campo para outro.

FIFA 18 tem uma mudança substancial nos chutes dos jogadores. De fora da área há sempre muitas chances de sucesso. Na segunda semana de vida do game a EA lançou um update e mudou algumas coisas. Os chutes voltaram a ser mais normais e os goleiros ficaram ligeiramente mais ágeis, o que garantiu que tudo voltasse ao normal. Mas voltar ao normal aqui significa ser igual ao FIFA 17. Então, na tentativa de melhorar o sistema de definição de jogadas, a EA acabou fazendo com que o sentimento de FIFA 18 seja muito parecido com FIFA 17.

Obviamente que não seria legal manter os goleiros fracos que a versão de lançamento possuía. Mas seria bom se pudessem ter mantido as mudanças e melhorado os goleiros. Ainda assim FIFA 18 se sai melhor que PES nos chutes, tendo mais potência e mais realidade na hora que estes tipos de lances acontecem. Os chutes com R1/RB continuam mortais, mas é preciso aprender a utilizá-los para não desperdiçar grandes chances. Na cara do goleiro estes chutes tendem a não dar mais tão certo, pois a reação melhorada dos porta redes faz com que a defesa seja bem possível de acontecer.

Em FIFA 17 o passe de bola rápido ganhava jogo. Com as assistências que o game traz, basta escolher um lado e o toque vai, praticamente perfeito. Esse ano está ainda mais fácil avançar com passes ligeiros. Tem momento que é lindo de ver, e em outros momentos passa a sensação de que falta realidade. Isso é um dos fatores que permitem chegar na área adversária tão rapidamente ao ponto de parecer um Pinball e não um jogo de fuebol.

As bolas paradas estão idênticas às do ano passado, pelo bem e pelo mal. As cobranças de faltas são de lua, às vezes vão exatamente como quando você está no treinamento e às vezes vão ridiculamente mais forte do que você pediu. É estranho como isso ocorre e vem acontecendo por várias vezes em FIFA.

Talvez seja uma forma de evitar que saiam muitos gols de falta. Os escanteios continuam com aquela bolinha amarela que devemos direcionar dentro da área. É bom e não é, eu particularmente prefiro o sistema clássico onde damos a força e direção através do direcional. Cruzar no primeiro pau com uma bola forte e mais baixa ainda é a melhor opção.

O juiz é praticamente o mesmo do ano passado. Temos árbitros que apitam direito, outros que invertem laterais, escanteios e tiro de metas. Na área ocorrem mais faltas de ataque que antes. Por diversas vezes o jogo parou em trombadas que no FIFA 17 o jogo seguia.

FIFA brilha muito com o FIFA Ultimate Team e esse ano não é diferente. Não temos tantas mudanças assim, mas com todos os jogadores atualizados, mais opções de cartas e os jogadores clássicos, tudo ganha ainda mais valor. O FUT Champions e a Weekend’s League são extremamente bem disputados e é impossível não gostar destes modos. Agora temos também novidades para jogar de 1 jogador, com o Squad Battles.

Semelhantes a tarefas diárias e semanais de jogos que tentam nos manter ligados à eles com frequência, este modo nos coloca frente a frente com elencos de grande poder. Se vencermos, ganhamos moedas e pacotes de cartas, de uma forma semelhante ao FUT. É uma boa opção para variamos a jogatina e conseguir mais cartinhas.

Além das temporadas online, o Pro Clubs e os modos offline, como a carreira, temos ainda o modo cooperativo, que é um dos que mais jogo. A conexão melhorou bastante se comparando com FIFA 17 e passamos por poucos problemas neste modo. No geral, FIFA 18 traz muitas coisa pra fazer, muitas tarefas bacanas (até tinha esquecido do modo de construção de elenco) e tudo roda muito bem online.

Desde o ano passado que fomos agraciados com o modo história de FIFA, apresentando Alex Hunter. O menino começou na Premier League e este ano é uma das grandes promessas do futebol. A história melhorou bastante, ganhou um tom mais dramático. Podemos jogar com outros players, além de Hunter, e é muito legal como todos possuem um grande carisma.

Chega um momento que podemos inclusive escolher um jogador para fazer parte do time, e a escolha se divide entre 3 grandes estrelas. O jogador que passa a fazer dupla com Hunter começa como um rival e aos poucos cabe a você, dentro e fora de campo, melhorar seu relacionamento com a grande estrela.

As escolhas são sempre bacanas, mas no final das contas não mudam muito o que ocorre na história. O que muda mesmo a história é o seu desempenho dentro de campo, que pode definir o rumo da carreira de Hunter. Jogadores conhecidos da galera, como Henry, Ferdinand e tantos outros aparecem no caminho de Hunter e é bem interessante ver o desenrolar dos fatos. Hunter não somente tem que se preocupar com seu desempenho dentro de campo, como também agora tem uma grande surpresa familiar e pessoal.

Apesar de ser melhor que do ano passado, a carreira com Alex Hunter ainda não está perto do que a 2K faz com NBA 2K18. Mas a EA está no caminho certo pra fazer a história de Alex Hunter ser cada vez mais querida entre os jogadores de FIFA.

FIFA ainda é o melhor jogo de futebol que temos disponível para PS4, Xbox One e PC (não testamos a versão Switch, Xbox 360 e PS3). No entanto, dá pra perceber que a falta de capacidade da Konami em melhorar o seu jogo de futebol, coloca a EA numa posição em que ela pode mudar pouco entre um ano e outro que acaba atendendo a necessidade dos jogadores. A concorrência é ótima neste estilo game, mas quando uma das partes não consegue fazer direito, a outra só se preocupa em manter o que vinha fazendo de bom. Não há um desafio em realmente melhorar o jogo a cada ano.

Não que FIFA 18 seja ruim, mas sinto que poderia ser melhor. Ainda temos alguns problemas de inteligência artificial, passes automáticos demais e erros bobos na mecânica do jogo. A bola rola muito mais solta em FIFA 18. O game é melhor que FIFA 17, mas por pouco. Em comparação com PES 2018, há uma grande diferença entre um jogo e o outro. A EA vence com vantagens por ter acertado nos games anteriores e por conseguir manter um bom jogo. FIFA 18 é divertido, desafiante e emocionante, com poucos momentos de irritação. É um game que vale a pena se dedicar. Mas como sempre falamos, vai do gosto de cada um.

PONTOS POSITIVOS
- Jogo fluido;
- Muitos modos de jogo, online e offline;
- Modo história com Alex Hunter empolga;
- FUT é ainda a estrela do jogo;
- Imersivo;
- Dinâmica do jogo foi renovada;
- Exige um reaprendizado na defesa.

PONTOS NEGATIVOS
- Passes muito automáticos;
- Goleiros fracos (arrumados com update);
- Muito parecido com FIFA 17;
- Pouca evolução.
Fonte: http://www.comboinfinito.com.br
12/12/2017 09:10:40
Conan Exiles sairá do Early Access e recebe dat...
12/12/2017 09:09:48
Kojima finalmente revela detalhes importantes d...
12/12/2017 09:09:04
KONAMI nomeia Zico como novo Embaixador e Jogad...
Leia mais notícias >>
• Call Of Duty - Black Ops II
• Grand Theft Auto V (GTA V)
• Grand Theft Auto IV
• FIFA 14
• Call of Duty: Modern Warf...
• Resident Evil 6
• Far Cry 3
• Call Of Duty: Ghosts
• PES 2014
• Call of Duty Black Ops
Qual seria o presente que você gostaria de ganhar de Natal da Viper Games?
Um Playstation 4
Um Xbox One
Um Notebook “gamer“
Um Nintendo Switch
Avenida do Café • 460 • Paulista
Piracicaba-SP CEP 13401-090
contato@vipergames.com.br

Telefones para contato:
(19) 3434-7423
(19) 3372-7400
Evernet Sites e Sistema Online